A Uber (NYSE: UBER) informou nessa terça-feira (11), em um processo judicial, que poderá ser obrigada a encerrar suas atividades na Califórnia, nos Estados Unidos, caso a decisão judicial que ordena que a companhia e sua rival Lyft (NASDAQ: LYFT) reclassifiquem seus motoristas como funcionários, entre em vigor.

Um juiz da Califórnia ordenou na última segunda-feira (10) que tanto a Uber como a Lyft classifiquem seus motoristas como empregados e não como independentes.

A multinacional que atua na área de transporte privado urbano, por sua vez, alegou em seu processo judicial que a paralisação das operações seria irreparavelmente desfavorável, tanto para a companhia, bem como para seus colaboradores.

O presidente-executivo da companhia, Dara Khosrowshahi, afirmou à CNBC nessa quarta-feira (12) que “se o tribunal não reconsiderar, então na Califórnia, é difícil acreditar que seremos capazes de mudar nosso modelo para ter contratados em tempo integral rapidamente”.

Motorista deve ser tratado como funcionário na Califórnia

A decisão, que ainda pode ser interrompida no tribunal norte-americano, representaria o maior golpe para o modelo de negócios dos aplicativos de transporte.

A medida é vista como uma vitória para o procurador-geral da Califórnia, cujo processo, apoiado por procuradores-gerais de São Francisco, San Diego e Los Angeles, argumentou que os motoristas da Uber e Lyft enfrentam danos imediatos por não receber o mesmo tratamento, direitos e benefícios que um funcionário formal.

O juiz do Tribunal Superior estadunidense, Ethan Schulman, concedeu uma liminar com prazo de 10 dias ordenando a reclassificação, que aplicaria imediatamente uma lei promulgada no ano passado. Segundo as duas empresas, tal medida tornaria seus negócios inviáveis no estado da Califórnia.

Balanço da Uber referente ao 2T20

A companhia divulgou na última quinta-feira (6) seu balanço referente ao segundo trimestre de 2020. Nesse período, a empresa demonstrou sua dificuldade financeira causada pelos impactos da pandemia do coronavírus (covid-19).

No trimestre, as reservas brutas, métrica que indica o número de pedidos realizados pelos usuários do aplicativo, para o serviço de transporte da Uber caíram 75% em relação aos três meses encerrados em 30 de junho de 2019, disse a empresa com sede em San Francisco na quinta-feira. Com todo o segundo trimestre afetado pelo surto da Covid-19, as reservas caíram 72% em relação ao primeiro trimestre, quando a pandemia começou.