A Uber Technologies busca vender parte de sua fatia de US$ 6,3 bilhões na chinesa Didi Chuxing, em um processo para se desfazer de participações minoritárias e levantar recursos, segundo pessoas a par do assunto.

O aplicativo de transporte com sede em São Francisco começa a monetizar participações em outras empresas na tentativa de valorizar o preço das próprias ações, disseram as pessoas, que falaram sob anonimato.

A ação do Uber fechou cotada a US$ 37,66 na quarta-feira, bem abaixo dos US$ 45 por ação quando abriu capital em maio de 2019.

O diretor-presidente da Uber, Dara Khosrowshahi, tem conversado sobre a venda com a Didi e com o SoftBank, conglomerado japonês que é o maior acionista de ambas as empresas, disseram as pessoas.

Embora vários cenários estejam em discussão, uma opção é o SoftBank se associar a outros investidores para adquirir uma participação minoritária na fatia de 15% da Uber, disse uma pessoa. A Didi, que precisa aprovar qualquer venda, dificilmente comprará ações, segundo outra fonte.

Um porta-voz da Uber não quis comentar. A Didi também não comentou.

A transação com a Didi seria mais um desinvestimento da Uber destinado a consolidar operações e abandonar a planos ambiciosos de expansão global. Neste mês, a empresa fechou um acordo para vender a unidade de frete europeia e parte de suas ações na russa Yandex. Também negocia a venda de parte de sua participação no aplicativo Grab, do Sudeste Asiático, segundo reportagem da Bloomberg News.

O Uber ficou com uma participação na Didi depois de sair da China em 2016 e vender sua unidade no país para a concorrente chinesa. O valuation da Didi atingiu US$ 56 bilhões com o boom do setor de aplicativo de transporte, mas as ações da empresa se desvalorizaram em transações do mercado privado em meio a problemas regulatórios e à pandemia de coronavírus.

O Uber reduziu o valor contábil de sua participação na Didi para US$ 6,3 bilhões em relação aos US$ 8,2 bilhões no primeiro trimestre.

Uma questão pode ser determinar o valor atual dessas participações. Em transações do mercado secundário, vendedores buscam pelo menos o equivalente a um valuation de US$ 33 bilhões por suas ações na Didi, enquanto compradores pedem preços abaixo desse nível, de acordo com pessoas a par das negociações.