Segurança Pública é assunto durante encontro de Witzel e Moro

O governador eleito minimizou as divergências com o futuro ministro da Justiça

O futuro ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, disse que a proposta do Governador eleito do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, de matar criminosos com fuzil na mão não tem precedente legal.

A afirmação foi feita durante uma homenagem organizada pela Associação de Ex-Alunos da Harvard Law School, em comemoração aos 200 anos do curso de Direito da instituição.

Já Wilson Witzel, que também esteve no evento, parabenizou Moro por ter deixado a magistratura para integrar o Governo de Jair Bolsonaro. O governador eleito minimizou as divergências com o futuro ministro da Justiça.

Wilson Witzel também prometeu mais recursos para a Segurança Pública do Rio, entre eles, os da Companhia Estadual de Águas e Esgoto que, de acordo com o Governador eleito, deve ter lucro de R$ 1 bilhão neste ano. Ele ainda comentou sobre um encontro que teve nesta sexta-feira (23) com o atual Presidente da Petrobras, Ivan Monteiro.

Na pauta, os investimentos no Complexo Petroquímico do Rio, nas plataformas da Bacia de Campos, e parcerias com grupos chineses.

Também participaram do evento três ministros do Supremo Tribunal Federal: Luiz Fux, Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso, que evitou falar sobre o aumento do judiciário, que aguarda a sanção do Presidente da República Michel Temer, e sobre o fim do auxílio moradia a juízes.

Quando questionado sobre o projeto Escola sem Partido, Barroso comentou brevemente já ter resolvido seu voto.

De acordo com a colunista da BandNews FM, Mônica Bergamo, o Supremo Tribunal Federal deve adiar o julgamento da constitucionalidade das leis que tentam implantar a Escola Sem Partido no país. Ele estava previsto para a próxima quarta-feira (28).