A presidente nacional do PT, a deputada Gleisi Hoffmann, usou dinheiro de cota parlamentar para pagar empresa responsável por disparos em massa no WhatsApp.

Trata-se da empresa curitibana LeadWhats, conhecida pelo WhatsApp por realizar esse tipo de ação considerada ilegal pelo aplicativo — serviço de disparos automatizados de mensagens em massa.

A presidente petista, que é deputada federal pelo Paraná, teria usado cerca de 19,5 mil reais do dinheiro público para contratar a empresa LeadWhats desde abril.  A notícia ainda é reforçada pelo fato das nove contas do PT no WhatsApp, suspensas por disparo em massa, serem operadas pela mesma empresa curitibana.

A LeadWhats é uma empresa de Curitiba já conhecida pelo WhatsApp – o serviço de disparos automatizados de mensagens  em massa é considerado irregular pelo aplicativo.

Segundo O Antagonista apurou, o WhatsApp já enviou diversas notificações extrajudiciais à empresa, sempre por disparos em massa de mensagens. Normalmente são disparos comerciais, e não políticos, disse uma fonte que pediu para não ser identificada.

Procurado, o WhatsApp disse que não comenta casos concretos e não pode dar detalhe sobre o caso. Mas esclareceu que seus serviços não foram feitos para enviar mensagens em massa e automatizadas e tem por política interna banir contas usadas para esse fim.

O critério para o banimento é algorítmico: se as plataformas do aplicativo detectam milhares de mensagens sendo disparadas ao mesmo tempo por poucos números, percebe que não se trata de atividade humana.