PT culpa Dilma pela derrota e posa de vítima de terrorismo cultural

Em documento que será submetido à aprovação do seu diretório nacional, o PT afirma que perdeu apoio do eleitorado popular, especialmente no Sul e Sudeste, em parte por conta da política econômica adotada no governo Dilma Rousseff, publica a Folha.

Mas o texto também lamenta a “ocupação de territórios, corações e mentes pela extrema direita, por empresas disfarçadas de igrejas e pelo crime organizado” e pede “um trabalho profissional de reconstrução da imagem” do partido.

“Fomos vítimas de uma campanha de terrorismo cultural, que vai requerer um trabalho longo e paciente de enfrentamento, que começa por entender como o antipetismo se formou, seus diferentes componentes e como enfrentá-los.”

Ou seja: o PT finge não entender que Dilma, assim como Fernando Haddad, é Lula; e que o antipetismo se formou, sobretudo, em razão do cinismo e dos crimes do atual presidiário.

E o PT mostra entender que perdeu o monopólio das narrativas no debate público, mas posa de vítima não das verdades denunciadas sobre o partido, mas de um terrorismo cultural que, em realidade, praticava com mais eficácia contra adversários quando detinha a hegemonia sobre corações e mentes dos brasileiros.