Grupo atraía as vítimas para táxis piratas e cobrava valores acima dos praticados por taxistas licenciados. Eles cobraram R$ 140 por uma viagem que deveria sair por cerca de R$ 40, segundo a polícia.

Câmeras de segurança registram ação de golpistas no Aeroporto Tom Jobim

A Polícia Civil prendeu três homens suspeitos de integrar uma quadrilha que praticava golpes em turistas no Aeroporto Internacional Tom Jobim, na Ilha do Governador, na Zona Norte do Rio, nesta segunda-feira (23). Apenas um deles já tinha seis anotações criminais.

O trio é suspeito de atrair as vítimas para corridas em táxis piratas com valores acima do normal. De acordo com a corporação, os maleiros, que são as pessoas que abordam as vítimas, têm foco em pessoas com crianças e que aparentam estar com pressa ou desesperadas.

Em um dos golpes, a quadrilha cobrou R$ 140 para levar um casal que, ao chegar no Aeroporto Internacional Tom Jobim, descobriu que o voo sairia do Aeroporto Santos Dumont, segundo a polícia. A corrida de aproximadamente 18 km deveria custar cerca de R$ 40.

Imagens de câmeras de segurança mostram a movimentação dos homens, que ficam a postos a espera de passageiro. Em uma das gravações é possível ver que um maleiro conversou com um casal por um tempo antes dos dois entrarem no veículo. As vítimas são abordadas até dentro do saguão do aeroporto.

Os veículos, apesar terem a cor amarela e uma faixa azul na lateral, não têm placas vermelhas nem o letreiro luminoso na parte de cima, como os táxis credenciados.

No esquema, o valor cobrado aos passageiros é dividido entre os maleiros e o taxista, segundo as vítimas. A comissão varia de acordo com o destino do passageiro.

Polícia prende quadrilha que dava golpe em turistas no Aeroporto Internacional Tom Jobim

Ao Bom Dia Rio, o delegado Adriano França afirmou que os presos vão responder por três crimes.

“Eles vão ser autuados no artigo 171, que é estelionato, associação criminosa e o taxista também pela contravenção de exercício irregular da profissão”, disse o delegado.

Durante a prisão, a Polícia Civil apreendeu mais de R$ 3.500, um táxi pirata, duas máquinas de cartão e uma tabela com valores acima dos praticados por taxistas.