Polícia Civil descobre esquema envolvendo traficantes e seguradoras de carros

Os presos vão responder por associação ao tráfico de drogas e receptação

Carros roubados negociados pela seguradora direto com criminosos. Parece cena de filme, mas faz parte do cotidiano do Rio. O esquema envolvendo cooperativas de proteção de veículos e bandidos foi descoberto pela Polícia Civil. A investigação durou cerca de cinco meses.

Os investigadores descobriram que funcionários de seguradoras pagavam diretamente aos traficantes para recuperar os carros roubados. Os valores variavam de R$ 1 mil a R$ 8 mil.

Apesar de a investigação apontar para a associação de empresas no esquema criminoso, na ação desta terça-feira (27), foram presos três acusados de associação criminosa dentro de uma mesma cooperativa. As prisões aconteceram em Campo Grande e Paciência, na Zona Oeste e em Itaguaí, na Região Metropolitana.

O delegado Roberto Ramos da delegacia de Realengo, também na Zona Oeste, afirma que a quadrilha chegava a colocar adesivos nos veículos para facilitar a identificação por parte dos traficantes. R$ 50 mil em espécie foram apreendidos na casa do dono da empresa.

Um ouvinte, que teve a identidade preservada e a voz distorcida, não teve respaldo da seguradora e negociou a recuperação do carro direto com traficantes no Morro do Chapadão, na Zona Norte.

Cooperativas de proteção veicular foram regulamentadas pela Câmara dos Deputados em maio deste ano. Elas oferecem serviços de cobertura que são diferentes da apólice de seguro tradicional. Dessa forma, uma poupança conjunta é formada em que valores são pagos para cobrir casos como acidentes e roubos.

Os presos vão responder por associação ao tráfico de drogas e receptação, com pena que podem chegar a dez anos.