Para descartar qualquer questionamento, este segundo inquérito da PF foi aberto, após o primeiro ter constatado que Adelio Bispo de Oliveira atuou sozinho.

 

A Polícia Federal (PF) prossegue firme no inquérito aberto para apurar se há algum mandante no atentado contra o presidente da República, Jair Bolsonaro, no dia 6 de setembro de 2018, em Juiz de Fora, interior de Minas Gerais.

 

Em 24 de abril, a investigação foi prorrogada por mais 90 dias. Autoridades aguardavam documentos da Receita Federal para esgotar todas as possibilidades e linhas de apuração, informa o Estadão.

 

Um dos principais objetivos do inquérito é descobrir se há alguém financiando a defesa do agressor ou se seu advogado Cristiano Zanin fez o serviço gratuitamente, o que é proibido pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

 

Ainda que a Justiça tenha declarado a inimputabilidade de Adélio Bispo de Oliveira, a investigação da PF prossegue com firmeza em busca de respostas.