Nova versão do Carrefour acusa centro de zoonoses de Osasco pela morte da cadelinha

//Nova versão do Carrefour acusa centro de zoonoses de Osasco pela morte da cadelinha

Nova versão do Carrefour acusa centro de zoonoses de Osasco pela morte da cadelinha

2018-12-04T11:15:24+00:0004/12/2018 11:15|Categorias: Brasil|Etiquetas: , , |Nenhum Comentário

O Carrefour divulgou uma nota oficial sobre a morte da cadelinha, que sugere que a cadelinha teria sido primeiro atropelada e depois morta devido ao uso de um enforcador pelo centro de zoonoses de Osasco.

A nota não para por aí, ainda diz que clientes que se queixaram da presença da cadelinha, sem qualquer comprovação e minimiza a agressão dizendo que a abordagem de sua segurança pode ter ocasionado um ferimento na pata do animal.

A nota é uma mistura de cinismo, vergonha e desumanidade, leia na íntegra abaixo:

Nossa apuração preliminar apontou que o cachorro estava circulando pelo estacionamento havia alguns dias. O Centro de Zoonoses de Osasco foi acionado por diversas vezes, mas não recolheu o animal. No dia do incidente, clientes se queixaram sobre a presença do cachorro, e, novamente, o órgão foi acionado.

Um funcionário de empresa terceirizada tentou afastá-lo da entrada da loja e imagens mostram que esta abordagem pode ter ocasionado um ferimento na pata do animal. O Centro de Zoonoses de Osasco foi acionado novamente e compareceu ao local para recolhê-lo. No entanto, no momento da abordagem dos profissionais do órgão para imobilização, o cachorro desfaleceu em razão do uso de um ‘enforcador’, tipo de equipamento de contenção.

A delegacia especializada de Osasco (D.I.I.C.M.A.) abriu inquérito e está investigando o caso. Estamos colaborando com as autoridades, disponibilizamos todas as informações e imagens para que o fato seja solucionado.”

O lado da Secretaria do Meio Ambiente

De acordo com o órgão de Osasco, o Departamento de Fauna e Bem-Estar Animal foi acionado na quinta-feira (29) para prestar socorro a um cachorro, possivelmente vítima de atropelamento, no estacionamento do hipermercado. O animal foi levado e recebeu os primeiros atendimentos emergenciais, mas não resistiu aos ferimentos e faleceu.

Somente na noite de sexta-feira (30), o departamento recebeu a denúncia de que o cão havia sido espancado e envenenado – e não atropelado. Novamente, funcionários do local estiveram no hipermercado, onde encontraram o delegado Bruno Lima, que colheu depoimentos de testemunhas e registrou boletim de ocorrência na Delegacia do Meio Ambiente.

A prefeitura acompanhará o andamento do inquérito policial, que ficará sob responsabilidade da Polícia Civil. Só será possível informar o que houve com o cachorro após a conclusão do mesmo.

Faça um comentário

WhatsApp chat