Vítima estava trabalhando como motorista de aplicativo e pegou a dupla perto de uma boate, neste sábado (22), em Campo Grande. Um deles foi levado para delegacia.

Um motorista de aplicativo, de 26 anos, foi agredido por dois passageiros após desentendimento durante uma corrida, na madrugada deste sábado (22), em Campo Grande. A vítima foi mordida, está com vários ferimentos pelo corpo e ainda teve vários dentes quebrados.

A corrida começou por volta das 4h30 (de MS) na rua Oceano Atlântico, próximo à uma casa noturna. No caminho, um dos passageiros começou a passar mal e o motorista pediu a ele para não vomitar no carro, avisando que poderia parar o passageiro vomitar.

Mesmo assim, o suspeito vomitou e aí começou o desentendimento. Quando os envolvidos chegaram no bairro Tiradentes, o motorista parou o carro e pediu para os passageiros descerem. Foi neste momento que a vítima começou a ser agredida com chutes, socos e mordidas. No depoimento, a vítima conta que chegou a ficar desacordada.

Na ocasião, um segurança particular passava de moto e presenciou os fatos. Ele parou para socorrer a vítima e conseguiu capturar um dos suspeitos, até a chegada da polícia. O homem de 30 anos prestou depoimento e foi liberado. Ele deve responder por lesão corporal. O outro envolvido ainda não foi identificado.

Há dois anos atuando como motorista, a vítima conta que ficou muito assustado, porém, pretende continuar trabalhando na área. “Desde a hora em que entraram no carro eu percebi que estavam alterados. Não sei se havia droga, mas, alcoolizados eles estavam. E eu apenas pedi para que não vomitassem no carro, mas, um deles ficou transtornado e disse: ‘eu estou pagando’. E eu apenas respondi: ‘não é assim que as coisas funcionam’. Ele já saiu batendo a porta, amassou mesmo. É difícil, é algo que a gente nunca espera que vai acontecer”, relembrou.

A vítima também pediu ajuda dos colegas de profissão pelo aplicativo. Um deles, que prefere não se identificar, disse que ajudou o colega e que os suspeitos jogaram a chave do carro dele no telhado de uma casa. “E sem motivo ainda jogaram a minha chave. A sorte é que um colega subiu em um quintal e pegou. Agora estou aqui, com três ou quatro dentes quebrados porque as pessoas não tem nenhum respeito ao próximo”, finalizou.