João Dória e Wilson Witzel deram a largada para a campanha presidencial mais suja da história - Ronaldo Cunha