Já que primeira estratégia não deu certo, mídia lança outro factoide sobre Flavio Bolsonaro

 

Após a tentativa falha de coalizão entre imprensa e órgãos políticos aparelhados para tentar desgastar a imagem de Flávio Bolsonaro, eis que surge um novo factoide com o mesmo objetivo.

A tentativa agora é empurrar Flávio Bolsonaro para um esquema de milicianos. As informações divulgadas na mídia colocam que o senador carioca, quando ainda estava na ALERJ empregou duas mulheres ligadas ao capitão Adriano Nóbrega, acusado de fazer parte do ‘Escritório do Crime’, uma organização suspeita de ter assassinado a vereadora Marielle Franco.

O fato é que novamente, nenhuma prova é apresentada, e é sempre com o objetivo de arrastar novos acontecimentos, como quem constrói uma narrativa. As informações apresentadas pela imprensa, são cheias de “se”, “tido como suspeito”, “acusado” e demais formas de tentar imputar algo sem dizer efetivamente.