Finalmente saiu a sentença de Anthony Levandowski, ex-engenheiro do Google que roubou informações confidenciais da empresa, mais precisamente segredos comerciais relacionados a carros autônomos. O juiz distrital de São Francisco, William Alsup, condenou-o a 18 meses de prisão, que serão cumpridos assim que a pandemia da COVID-19 amenizar.

Levandowski, que trabalhou na Uber logo depois de sair do Google, levou consigo todas as informações comerciais que a gigante da tecnologia planejava para seu setor de carros autônomos a fim de utilizá-los na rival. Apesar de os investigadores do caso não terem encontrado indícios de que a Uber tenha usado os segredos que o engenheiro roubou, a denúncia tomou corpo e culminou nessa condenação.

O engenheiro, aliás, fez um acordo com a promotoria do caso e confessou o crime no mês de março, o que facilitou na conclusão por parte do juiz, que trata de casos no Vale do Silício há 50 anos. Alsup, na sentença, descreveu o caso como o “maior crime de segredo comercial que já viu”. Os promotores, por sua vez, queriam uma condenação ainda maior: 27 meses.

O que ele levou?

Levandowski transferiu mais de 14 mil arquivos do Google, incluindo cronogramas de desenvolvimento e design de produtos, para seu laptop pessoal antes de deixar a empresa e negociar um acordo com a Uber, onde liderou brevemente a divisão autônoma da empresa de transportes. A Uber demitiu Levandowski em 2017 e, em seguida, respondeu a uma ação judicial da Alphabet, controladora do Google, por uso indevido de segredos comerciais, atrasando seu projeto de carros autônomos. Essa disputa, aliás, ainda está em andamento.

O engenheiro, que hoje comanda uma empresa de caminhões autônomos chamada Pronto, solicitou um pedido de falência em março por causa de uma dívida de US$ 179 milhões com a Alphabet, que pediu esse valor em reparação aos estragos causados por ele com o roubo de informações. A Uber, que também foi envolvida na ação, disse que não é responsável pelo pagamento e tampouco pelo roubo dos segredos.

Fica em casa, mas depois…

Aproveitando a pandemia do novo coronavírus (SARS-CoV-2), Levandowski solicitou o confinamento de um ano em sua casa no condado de Marin, sustentando que ataques de pneumonia nos últimos anos o tornariam suscetível à morte pela COVID-19 enquanto estiver preso. Depois da condenação, o engenheiro pediu desculpas e disse que vai usar seu exemplo para evitar que isso não ocorra com outras empresas e profissionais.

Fonte: Venture Beat