Os portões da Uniderp e da Escola Estadual Joaquim Murtinho fecham às 12h em ponto

Na Uniderp e na Escola Estadual Joaquim Murtinho, os portões fecharam ao meio dia em ponto no primeiro dia de prova do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), neste domingo (3). Entre os atrasados, a culpa vai desde o pneu furado até o caminho escolhido pelos motoristas de aplicativo.

O vendedor Júlio Lopes, de 26 anos, que mora no bairro Itamaracá, chegou poucos minutos após o fechamento do portão da Uniderp. Ele conta que o atraso foi causado pelo pneu furado da moto.

Segundo ele, quando estava saindo de casa passou por um buraco que furou o pneu. Ele ainda passou em uma borracharia, só a troca do pneu demorou cerca de 20 minutos. “Agora eu vou ficar como o irresponsável que chegou atrasado”, lamenta. Mesmo atrasado, ele ainda tentou chamar os guardas, mas foi em vão.

estudante Denner Pereira Bento, de 17 anos, também chegou ao local de prova, na Unidep, nos primeiros minutos após o fechamento do portão. Ele conta que chegou atrasado e confundiu o horário. “Achei que era 13h de Mato Grosso do Sul”, afirma. Se preparando para os vestibulares desde o começo do ano, o estudante conta que agora vai focar no vestibular da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul).

Os últimos candidatos que entraram na Uniderp ainda receberam o incentivo de quem estava do lado de fora, com palmas e palavras de apoio.

No Joaquim Murtinho, a vendedora Bruna Taiane, 25 anos, e o marido Silvestre Correa Junior, 24 anos, perderam a prova por questão de minutos. Eles contam que saíram de casa 11h45. “Moramos no Jaci e normalmente demoramos no máximo 10 minutos para chegar no centro, mas a motorista do aplicativo escolheu um caminho diferente e chegamos depois do horário”, contam. De acordo com eles, agora o plano é tentar fazer a prova no ano que vem.