EM DESESPERO TOTAL por ter sido desmascarada, agora tenta até ligar Bolsonaro a morte de Marielle

 

O jornalismo brasileiro realmente morreu. Uma das profissões mais nobres de todos os tempos, foi, pouco a pouco, entrando em colapso ao propagar inverdades com o intuito de destruir reputações e proteger ideais e políticos alinhados com as ideologias defendidas pelo militantes alocados nas redações.

A grande mídia cavou tantos buracos para incriminar aqueles que não estão alinhados com seus ideais progressistas, que acabou por cair em uma das covas, e lá permaneceu sem jamais ter algum contato com a luz e, consequentemente, com a verdade.

Para quem duvidava que depois das fakenews sobre os disparos massivos de WhatsApp, caso ‘denunciado’ há mais de 3 meses e que segue até hoje sem apresentar uma prova sequer, era o fundo do poço das inverdades, eis que surge a mais suja das facetas.

Grandes canais, novamente sem apresentar uma singela prova, tentam ligar Flávio Bolsonaro à morte de Marielle Franco do PSOL, numa atitude imprudente e perniciosa, que visa somente destruir a reputação do presidente Bolsonaro e seus filhos.

Aos brasileiros de bem, além de todo o boicote devidamente necessário aos veículos de comunicação que faltam com a verdade, resta também aguardar que a resposta seja dada judicialmente, pois tal acusação, sem nenhum fundamento documental, não pode ficar impune.

 

A companheira de Marielle também aproveitou para acusar o Presidente da República de ser “cúmplice” do assassinato. “Um presidente, um homem que está no principal cargo de poder, não se manifestar a respeito de um dos assassinatos políticos mais violentos da história do país, é no mínimo conivente” disse ela em entrevista para a rádio francesa RFI.

 

 

 

O porém mais intrigante de toda essa história, é que Bolsonaro foi quase morto comprovadamente por um ex-militante do PSOL. Um homem que teve um registro de entrada na Câmara dos Deputados no mesmo dia em que cravou a faca no candidato à presidência. Ou seja, comprovadamente recebeu ajuda de alguém de dentro da Casa. Mas a mídia ignora.