Em um universo paralelo, Fernando Haddad é o presidente do Brasil; e ele foi ontem à posse de Nicolás Maduro, com uma grande comitiva, incluindo o ministro da justiça, Renan Calheiros, o ministro da educação, Lindbergh Farias, o ministro da habitação, Guilherme Boulos, o ministro da cultura, Jean Wyllys e a ministra da Mulher, Direitos Humanos e Promoção Social, Dilma Rousseff.

Em um universo paralelo, Fernando Haddad é o presidente do Brasil; e ele foi ontem à posse de Nicolás Maduro, com uma grande comitiva, incluindo o ministro da justiça, Renan Calheiros, o ministro da educação, Lindbergh Farias, o ministro da habitação, Guilherme Boulos, o ministro da cultura, Jean Wyllys e a ministra da Mulher, Direitos Humanos e Promoção Social, Dilma Rousseff.

Também foi acompanhado do ex-presidente Lula, solto por um habeas corpus concedido pelo ministro Marco Aurélio Mello horas após a posse. O ativista italiano Cesare Battisti acompanhou a delegação como convidado especial da Presidência.

Em Caracas, Haddad uniu-se aos chefes de estado de Cuba, Bolívia, El Salvador e Nicarágua, os únicos a prestigiarem a cerimônia. Mas quem roubou a cena foi mesmo Lula que, em um discurso emocionado, enalteceu os avanços sociais na Venezuela e a coragem de Maduro, na “defesa intransigente da democracia e da soberania nacional”.

No Brasil, a presidenta em exercício Manuela d’Ávila aproveitou para assinar o decreto que institui o 1º de Janeiro como o “Dia do Lula Livre” e abriu o Palácio do Planalto para movimentos sociais, como o MST, a Via Campesina, associações LGBT, além de cantores de funk, grafiteiros, artesãos e grupos de dança de rua, que promoveram um grande sarau.

Enquanto isso, na internet, em uma live transmitida da garagem de sua casa, o ex-deputado e ex-candidato à Presidência, Jair Bolsonaro, protestou veementemente contra o que classificou como “uma vergonha mundial para o Brasil”.

No Twitter, apoiadores de Bolsonaro dividiram-se entre os inconformados que culpam uma suposta fraude na eleição ocasionada pelas urnas eletrônicas, e os que jamais perdoaram os eleitores de Geraldo Alckmin e João Amoêdo.

A hashtag >#Bolsonaro2022 chegou ao primeiro lugar nos Trending Topics mundiais.

1) Brasil parceiro da Venezuela e de qualquer ditadura ou grupo extremista do Oriente Médio;


2) Fim da Prisão em 2ª Instância e Lula Livre;


3) Lula Ministro da Casa Civil (ou seja, Presidente);


4) Dilma Ministra da Economia (ou seja, Presidenta);


3) 29 Ministérios e mais 1 de lambuja para Lacração com uma cópia Marxista da Damares Alves;


5) Fuga em massa dos investidores e queda vertiginosa da Bolsa de Valores;


6) Primeiras sinalizações de nova retração econômica e queda do PIB;


7) Lotação das estatais com cargos políticos-partidários;


8) Gleisi Hoffmann favorita para a presidência da Câmara dos Deputados;


9) Comentaristas da Folha de São Paulo, Estadão, Globo News, Exame, Jornal da Globo, e artistas no Programa Encontro, afirmando que a economia não vai bem, porém a crise é mundial, mas porém, que bom que a) não elegemos um Fascista, b) que preservamos os direitos civis, c) que o Brasil caminha forte na justiça social, d) que Nicolas Maduro é Presidente Democraticamente eleito, e olha, ele não é Fascista, e) os problemas do Brasil nascem no governo Trump;


10) Projeto ambicioso da super ciclovia Manaus-Porto Alegre-Manaus.