Bolsonaro celebra preenchimento de vagas no Mais Médicos

91 dias após a ditadura de Cuba romper o acordo com o Brasil, o presidente Jair Bolsonaro celebrou o preenchimento das vagas no programa Mais Médicos por profissionais brasileiros.

O Ministério da Saúde anunciou nesta quarta-feira (13) que todas as vagas do edital do Mais Médicos, aberto após a saída dos médicos de Cuba do programa, foram preenchidas por profissionais do Brasil.

Ao todo, foram 8.517 vagas preenchidas. Segundo a pasta do titular Luiz Henrique Mandetta, chamadas para médicos estrangeiros não devem ser realizadas.

Os médicos inscritos no programa terão entre os dias 19 e 22 de fevereiro para se apresentarem nos locais de trabalho, que foram distribuídos em 667 localidades.

Em uma série de quatro mensagens no microblog Twitter, o presidente Jair Bolsonaro celebrou o preenchimento das vagas e o fim de uma antiga narrativa utilizada pelo Partido dos Trabalhadores (PT) para defender a manutenção do acordo com o o regime comunista cubano.

RENOVA reproduz abaixo a íntegra da publicado no Twitter do Presidente da República nesta quinta-feira (14):

Meses atrás exigimos que a ditadura cubana revisse as regras impostas aos profissionais cubanos participantes do Mais Médicos, que recebiam apenas uma pequena parte de seus salários e não tinham liberdade para ver seus familiares.

De forma irresponsável, Cuba suspendeu sua participação subitamente, colocando em xeque o caráter humanitário do acordo feito com o PT. Oferecemos asilo aos que cidadãos queriam ficar em nosso país. A esquerda mesmo assim poupou a ditadura e colocou na conta do novo Governo.

Esta falta de sensibilidade e os milhões que ficariam sem atendimento. O Ministério da Saúde, porém, agiu rapidamente e as vagas deixadas foram preenchidas – as últimas nesta quarta (13) por brasileiros formados no exterior.

Eles receberão seus salários de forma integral e terão a liberdade necessária para uma vida digna. A resposta para quem torce contra o Brasil é o trabalho. Vamos em frente!