A proporção de pessoas vivendo abaixo da linha de extrema pobreza é a menor em 40 anos.

É o que aponta um levantamento feito pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV).

A informação é do jornal Valor.

O motivo é justificado pelo recebimento do auxílio emergencial, que é um benefício instituído no Brasil pela Lei de nº 13.982/2020. A medida prevê o repasse de R$ 600 reais mensais a trabalhadores informais e de baixa renda, microempreendedores individuais e também contribuintes individuais do Instituto Nacional do Seguro Social.

Para comentar sobre o tema, a reportagem ouviu Daniel Duque, pesquisador do Ibre/FGV e autor dos cálculos.